sábado, 21 de abril de 2012

As Desculpas Atrasadas do Procurador Geral da República

O Procurador Geral da República (claro, que de Angola) é um cínico violador da lei se defendendo, quando diz que não recebeu propina ou não foi subornado para agir como devia no caso do ex-Ministro da Comunicação Manuel Antônio Rabelais.

Pode até ser, mas quem estará interessado agora na suposta defesa deste Procurador? Quando várias denúncias contra esse, os jornais privados no pais publicaram –várias vezes-, acusando o mesmo de ter ou fazer negócios, que na sua condição não seriam éticos ou mesmo legais.

Quantas vezes, o antigo Semanário Angolense, ainda dirigido pelo “finado” Graça Campos, não denunciou os negócios ilícitos ou contratos assinados pelo PGR, que na sua condição, em qualquer país civilizado e verdadeiramente democrático, seriam mais do que suficientes para levar este corrupto a se demitir do cargo e até mesmo ter que enfrentar a justiça.


Num país em que quem recebeu como destino profissional cuidar da lei diante de todos, além de se declarar incompetente diante de certas figuras, também –sempre-, esteve atrasado para justificar suas ações. À propósito, quem tem competência para investigar o Presidente da Republica?
A bandidagem e a seita secreta constituída pelos mesmos vai além do cinismo. Antes não respondiam as denúncias do então assustador site Club-k. Porque alegavam que esses não eram profissionais; ou se eram, não passavam de uma turma de invejosos e fracassados. A delinquência que antes se apresentavam como heróis da pátria, que de todo respeito exigiam de todos, pouco a pouco vão sendo desacreditados e desmascarada. Descobriu-se que não são tudo aquilo que sempre se pensou ou fizeram pensar de si aos outros.
As eleições estão aí, se aproximando, agora é esperar que toda essa burrice, aí no poder, com o nome do MPLA, não mereçam toda aquela votação do passado. Vamos esperar e torcer para que no fim a raposa sangre.


Nelo de Carvalho
blogdonelodecarvalho.blogspot.com
www.facebook.com
nelo6@msn.com

Nenhum comentário: