sábado, 7 de janeiro de 2012

Quem Beijará os Pés dos Mendigos Europeus?

Um fantasma percorre a Europa, o fantasma da crise! Dizem que o catolicismo, o Cristianismo, teme mais o Comunismo do que qualquer crise na fase da Terra. Ainda que esta se assemelhe, tanto, ao inferno. E o motivo é simples: a igreja suportaria qualquer coisa na fase da Terra, menos o seu desaparecimento. Na verdade, suportaria até o desaparecimento da própria humanidade. E é aqui a diferença fundamental entre Comunistas e Cristãos.



Aqueles preferem a vitória da nossa espécie sobre a Terra (sem nenhum tipo de negociação divina), e de preferência com a derrubada de todas as estruturas sociais que geram crises. Estruturas e superestruturas caducas infligidas a todos nós em nome da propriedade privada, do individualismo e do egoísmo que governam os mercados nas sociedades neoliberais. Aqueles rejeitam qualquer pseudo ideologia que atrapalhe a verdadeira solução dos problemas da humanidade, e nisto está a própria religião atrapalhando, servindo de obstáculo a tudo a que possa tornar mais feliz a espécie humana na Terra.


Estes, os Cristãos, namoram todos estes vícios e manias de forma covarde e traiçoeira. Existe um pacto entre a velha ordem capitalista e a igreja, que sempre defendeu de forma conservadora a trilogia: tradição, família e propriedade. Um triângulo usado para justificar a barbárie, qualquer instinto primitivo e animal que ajude a manter as coisas do jeito que elas estão, a exploração do homem pelo homem, que para muitos deveria ser aceite com resignação e conformismo –já que também é obra ou castigo divino! Ou de quem, não sei quando, andou abusando dos privilégios no paraíso e foi expulso de lá porque não resistiu às tentações.


Estar sempre no mesmo lugar (o estancamento e a imobilidade) é coisa de quem teme o seu próprio desaparecimento. Esta resistência no Capitalismo é manifestada com o uso de todas as forças possíveis, quando necessárias. Forças, sim, quando a existência daquela ordem é ameaçada. Mas nada impediria o silêncio vindo de túmulos e de catacumbas que sempre alardearam o fim da humanidade se o Comunismo virasse uma realidade para ela.


A Europa hoje afunda, sangra como uma besta selvagem e definha diante da “tradição”, da propriedade e com certeza diante da família. Diante disso, onde está a voz da igreja que sempre esteve tão assustada perante tanto perigo?


No passado, tanto se gritou e se esperneou, até por muito menos. Houve épocas que as greves dos operários mobilizados por sindicatos comunistas tiravam o sono do Papa. Estes perderam as contas dos pactos mesquinhos que andaram fazendo com as forças reacionárias daquele continente, até com o fascismo hitleriano na perseguição dos comunistas e dos militantes de esquerdas.


Hoje por muito mais, diante da definhes e da escravidão de todo um continente ( a Europa), provocada pelas políticas neoliberais, o silêncio Papal e da Igreja é tão cínico quanto aquele roncar tardio que pede desculpas aos descendentes dos escravos africanos, só depois de quinhentos anos de escravidão.


Por muito menos, durante os anos pré e pós da caída dos regimes comunistas naquele continente, não faltaram excursões Papais benzendo os “libertos” cidadãos daqueles regimes, “aprisionados” atrás das cortinas de ferros dos regimes comunistas. Por certo, cidadãos bem alimentados, educados e civilizados. Foi precisamente nestas condições de cidadãos que eles deram-se o luxo de protagonizarem as males intencionadas, e mal chamadas, ao meu entender, Revoluções de Veludos, de Laranjas, de Cor de Rosas, enfim. Tantos nomes súteis, sugerindo, ironicamente, que seus protagonistas, estavam longe de serem gente torturadas e famélicas. A intelectualidade dos nossos revolucionários anticomunistas suportados por corpos bem nutridos espelhou sempre a pobreza de suas ambições racionais. Os sintomas desta pobreza são os variados nomes, esdrúxulos, ao que eles chamaram de revoluções.


Mas a história não tem fim e nunca teve. E isto os comunistas sabem muito bem. E sabemos também que o Papa no seu refugio covarde e traiçoeiro não voltará aos antigos comícios que declararam o fim de uma ordem social, que em 80 anos deu dignidade, vida e honra há mais de 200 milhões de habitantes na Europa. Ou será que o Papa agora estaria disposto a beijar os pés dos milhões de europeus famintos que aparecerão nas ruas das Capitais Europeias? Nem Cristo teria tanta disposição.

Depois do Comunismo, falta agora saber quem acolhera os mendigos de toda a Europa.

Nelo de Carvalho
www.blogdonelodecarvalho.blogspot.com
nelo6@msn.com
www.facebook.com

Nenhum comentário: